24 de mar de 2011

Anatel aprova celular de fim médico desenvolvido no país

A Anatel homologou o primeiro celular desenvolvido com tecnologia nacional para finalidades médicas.
Produzido pela CellDesign, ele funciona como qualquer aparelho (faz chamadas e envia mensagens). Mas seu objetivo é unir essas funcionalidades para o monitoramento de pacientes e pessoas idosas à distância.
Estima-se que 75% dos acidentes com idosos aconteçam dentro de casa. A maioria das quedas -que representam 30% dos acidentes- acaba levando à morte pessoas acima de 75 anos.

Por isso, a CellDesign criou o BP. O aparelho possui um botão de SOS que, uma vez acionado, dispara torpedos com "pedidos de socorro" para cinco números cadastrados na memória.Caso nenhuma delas receba a mensagem, o telefone efetua ligações para os números automaticamente até que um deles atenda.


Disputa Jurídica
Emborrachado, ele resiste a quedas de até 1,80 m e possui sensores que captam o movimento de queda. Neste caso, torpedos são enviados e poderiam até conter a localização da pessoa. Mas ainda existe uma discussão jurídica se esse tipo de serviço será autorizado no país.
Um aplicativo pré-instalado permite cadastrar nomes de remédios a serem ministrados, dosagens e horários. O celular avisa tocando um alarme no horário agendado, mesmo se estiver desligado. Detalhe: o toque é compatível com aparelhos auditivos (que operam com frequências de até 25 decibéis).
Segundo o engenheiro Armando Kilson Junior, que desenvolveu o BP, as operadoras já estão interessadas, mas o aparelho será vendido pela internet a R$ 685.
Fonte: Folha UOL via Contabilidade na TV

Postagens populares