17 de mai de 2016

App Whitebook Clinical Decision - Guia de prescrição médica, antimicrobianos, bulario e conduta para decisão clínica

O Whitebook, tanto para iOS quanto para Android,  hoje é muito mais do que um guia de prescrições, mas sim uma ferramenta de auxílio a tomada de decisão do médico moderno. Com mais de 2.500 tópicos e englobando diversas especialidades, o app tem como objetivo expandir ainda mais seus conteúdos a cada atualização.



O aplicativo médico mais baixado da loja, com mais de 78000 usuários, acaba de evoluir para sua mais nova versão:  maior base nacional em conteúdo médico com mais de 2500 tópicos atualizados em doenças, drogas e manejo clínico.

Vantagens: 
  •  Conteúdo 100% Offline: Seu guia de prescrições médicas conta com mais de 300 orientações de prescrição para todos os usuários, além de um bulário de medicamentos com mais de 3000 bulas, e absolutamente todo o conteúdo com disponibilidade offline.
  • Incluído consulta ao "CID-10" e aos códigos de "Procedimentos SUS"! Recursos Gratuitos!
Conteúdo Gratuito



Recursos exclusivos para usuários Premium:
  • Condutas pediátricas, drogas pediátricas e prescrições pediátricas;
  • Guias de diagnóstico e doenças com abordagem diagnóstica e terapêutica (em constante expansão);
  • Guia de Antimicrobianos para 100 infecções da prática clínica;
  • Guias de condutas práticas fundamentais para emergência, terapia intensiva, enfermaria de clínica médica e especialidades, e ambulatório;
  • Total de 600 prescrições na versão completa do aplicativo.



Um aplicativo em constante expansão: mais de 2500 tópicos de conteúdo disponíveis. Seja na emergência, no CTI, na enfermaria de clínica médica e especialidades, ou no ambulatório, esta será a plataforma de auxílio na tomada de decisão clínica.

Além disso, o aplicativo agora funciona em um modelo Freemium onde o existe uma versão gratuita (super completa) e uma versão premium com assinatura no valor de R$20,00.

4 de mai de 2016

Queremos conhecer os médicos que atuam em Informática em Saúde


A SBIS está com um projeto de tornar a Informática Clínica/Informática Médica uma área de atuação da Medicina e subespecialidade médica.
Para tanto, deseja saber mais informações sobre os médicos brasileiros que atuam tanto no Brasil, como no exterior, em Informática em Saúde.
Clique aqui ou responda abaixo: https://docs.google.com/forms/d/1rdZOCNqGF-G3MiXn7uozey-CBMG138H5STir_O7k7ZE/viewform


19 de abr de 2016

Palestra Online Gratuita: Inovação em Saúde com Dra. Jussara Rötzsch 02/05 20h00


A Diretoria de Educação da SBIS tem o prazer de convidar a todos para a 3ª palestra do VII Ciclo de Seminários Online de Informática em Saúde . No dia 02/05/2016, teremos a palestra Inovação em Saúde.
Resumo da palestra:
Novas tecnologias estão transformando a assistência médica em todo o mundo, possibilitando a implantação de serviços inovadores, melhoria da qualidade do cuidado, promovendo a colaboração e melhorando os resultados para os pacientes. Mas para se beneficiar destas novas oportunidades as organizações devem encontrar respostas para uma série desafios e mudar uma série de paradigmas. 

As organizações de saúde devem fornecer cuidados integrados baseados nas melhores evidências científicas. Ao mesmo tempo precisam implementar os mais recentes avanços científicos e serem capazes de gerenciar um grande volume de dados que crescem exponencialmente a cada dia. Sem uma info e infraestrutura de TI que tenha o poder e a escalabilidade para lidar com o dinamismo e complexidade que caracterizam o setor saúde, pode ser difícil de assegurar a interoperabilidade, manter os custos sob controle e atender às exigências regulatórias cada vez mais rigorosas. A maioria das organizações hoje adota uma abordagem puramente táctica par lidar com estas questões, implantando soluções pontuais para enfrentar cada desafio, cada problema. Entretanto, essa abordagem tem criado mais do que resolvido problemas, pois os sistemas são desenvolvidos em silos que dificultam a interoperabilidade e a visão integrada e, por consequência, a adoção de inovações.

Fornecedores de produtos especialistas e proprietários geralmente não estão equipados para integrar seus sistemas com produtos de outros fornecedores, o que leva a própria organização a ter que assumir a integração, criando departamentos de TI apenas para integrar e suportar sistemas díspares.
Para aproveitar o que a inovação em saúde pode trazer de benefícios para pacientes e de eficiência para a organização, é vital pensar estrategicamente e desenhar uma arquitetura e modelos de referência. Assim as soluções tecnológicas e específicas de saúde escaláveis serão sustentáveis a longo prazo.


Palestra: Inovação em Saúde
Data: 02/05/2016
Horário: 20h00 às 21h30

Palestrante: Dra. Jussara Macedo Pinho Rötzsch



Mini Currículo da palestrante:
Especialista em Soluções em eSaúde da Oracle do Brasil, membro do Conselho Diretor da Fundação openEHR. Co-chair do grupo de Registro Eletrônico de Saúde do Instituto HL7 Brasil. Pesquisadora em modelos clínicos e terminologia em Saúde da UNB no projeto de Registro Eletrônico de Saúde do Ministério da Saúde. Foi consultora de interoperabilidade e modelo de informação do RES da UNIMED do Brasil. Coordenou o desenvolvimento e implantação da TISS na ANS.

Você é nosso convidado. A palestra é aberta ao público em geral, sem necessidade de inscrição prévia. Para acessar a sala virtual de webconferência, utilize um navegador de internet, acesse o link abaixo e entre na sala como Convidado, usando o seu nome.


Atenciosamente,

Diretoria de Educação SBIS - Zilma Reis e Juliana Souza-Zinader
Diretoria de Comunicação SBIS - Abel Magalhães e Leandra Carneiro


7 de abr de 2016

Painel de Big Data em 2016 - Inteligência Artificial a serviço da Saúde

Matt Turck escreveu o post "Is Big Data Still a Thing? (The 2016 Big Data Landscape)" onde mostra o panorama atual de Big Data e como ela está se tornando a nova Inteligência Artificial, inclusive na área da saúde.
"A grande tendência ao longo dos últimos meses em análise de Big Data tem sido o foco crescente em inteligência artificial (em suas diversas formas e sabores) para ajudar a analisar enormes quantidades de dados e derivar percepções preditivas.(...) Os algoritmos para aprendizagem profunda (a área da IA que recebe mais atenção nos dias de hoje) foram criados há décadas atrás, mas não mostraram todo o seu potencial até que pudessem ser aplicados a grandes quantidades de dados baratos e rápidos. (...) A combinação de Big Data e IA irá impulsionar a inovação em praticamente todos os setores. A partir dessa perspectiva, a oportunidade de Big Data é provavelmente ainda maior do que as pessoas pensavam." Matt Turck
Abaixo podemos ver um panorama atual da Big Data dividida em infraestrutura, análise e aplicações, atualizada em 23/03/2016, isto é, bem recente.

Matt Turck -big data landscape

Para a imagem em tamanho grande, clique aqui. Para a lista das empresas, clique aqui.
Na área da saúde temos 2 áreas que chama a atenção: fonte de dados e API e Aplicações em Life Science.

Fonte de dados e API em Big data em Saúde


Fonte de dados e API em Big data em Saúde
  • Jawbone: Aplicativo UP usa o telefone ou smartwatch compatível para monitorar os movimentos, permite registrar alimentos e sono e mostra como fazer ajustes simples que, com o tempo, renovam o usuário por completo. Possui monitores de atividade física também: 
  • Garmin: um dos principais produtores de dispositivos de fitness que ajudam as pessoas a atingir seus objetivos, com dispositivos para atividades diárias, caminhada, corrida, natação ou uma combinação de atividades, além de ciclismo, natação corrida e poliesportiva.
  • Practice Fusion: conecta médicos, pacientes e dados para conduzir melhor saúde e salvar vidas, plataforma clínica em tempo real de dados não-identificados.
  • Fitbit: vários modelos de dispositivos tracker para todos os gostos.
  • Withings: dispositivos wireless de pressão arterial, peso, temperatura, atividade e muito mais, vendidos no site da Apple.
  • Validic: plataforma de tecnologia baseada em nuvem que conecta os dados gravados do usuário, desde aplicativos de saúde, dispositivos e wearables à empresas, como Kaiser Permanent, Cerner, sistemas hospitalares, fornecedores, empresas farmacêuticas, contribuintes, plataformas de tecnologia de informação de saúde, clubes de saúde e empresas de bem-estar.
  • Netatmo: Câmera com reconhecimento de face.
  • Kinsa: termômetro que junto com aplicativo, relaciona a febre e os sintomas informando aos pais quando é motivo de preocupação.
  • HumanAPI: acesso em tempo real aos dados de saúde digitais estruturados a partir de fornecedores, laboratórios, farmácias, dispositivos e aplicativos, permite conectar o mundo de dados de saúde para a sua aplicação com uma única API.


Aplicações de Big Data em Life Scienses 
Aplicações de Big Data em Life Scienses 
  • 23andMe:  serviço de análise de DNA fornecendo informações e ferramentas para as pessoas para conhecer e explorar seu DNA.
  • 3scan: visa alargar a compreensão da biologia passado o dogma central para fornecer uma compreensão da estrutura, função e mau funcionamento dos tecidos normais e patológicos em 2D e 3D. Com várias modalidades de imagem disponíveis, podemos capturar, manipular, analisar e quantificar uma grande variedade de informações estruturais para fornecer insights sobre o seu investigação problemas.
  • AiCure: soluções avançadas de adesão à medicação alimentado por inteligência artificial
  • Atomwise: usando supercomputadores para prever, com antecedência, que potenciais medicamentos vai funcionar, e quais não. Usando algoritmos de aprendizado de máquina para analisar as bases de dados para dizer a diferença entre quais drogas são indicadas e quais serão tóxicas, e descobrir novos usos para medicamentos antigos. 
  • Bina Technologiessoluções para análise genômica secundária e terciária, gestão de dados end-to-end e colaboração eficaz. As soluções  ajudam a organizar, encontrar e compartilhar ideias como grandes volumes de dados e  genômica.
  • Counsyl: análise de DNA para pré-concepção, pré-natal, câncer hereditário, e mias.
  • Deep Genomics: aprendizagem de máquina, biologia do genoma e da medicina de precisão, nova geração de tecnologias computacionais que podem nos dizer o que vai acontecerá dentro de uma célula quando o DNA é alterado pela variação genética, de ocorrência natural ou terapêutico. Banco de dados SPIDEX TM , um conjunto abrangente de mutações e seus efeitos previstos no splicing de RNA em todo o genoma humano.
  • Diassess: análise de DNA com objetivos médicos, forenses, químicos, industrial e agricultura.
  • Enlitic: tecnologia de aprendizagem profunda para a medicina, contextualiza os dados de imagem comparando-a com grandes conjuntos de dados de imagens do passado, e através da análise de dados clínicos auxiliares, incluindo os relatórios clínicos e estudos de laboratório. Fornece insights ao médico em tempo real ou retrospectivo.
  • Flatiron Health: plataforma de evidências para oncologia, ferramenta de análise que desbloqueia dados de vários sistemas e fornece insights clínicos detalhados e inteligência de negócios. 
  • Ginger.io: empresa fez um app que acompanha sua saúde mental, medindo níveis de paciência e depressão.
  • Glow: rastreamento de saúde pessoal abordando período menstrual e vida sexual, fertilidade, gravidez e bebê.
  • Grand Round Table: solução de suporte a decisão clínica integrado ao Registro eletrônico de Saúde
  • HealthTap: uma plataforma com mais de 60 mil médicos para atender pacientes online, base de conhecimento mais abrangente do mundo de informações pessoais de saúde criado pelo médico, e organizado com a ontologia proprietária da empresa, não só para os usuários e médicos, mas também para os desenvolvedores.
  • HumanDX é um esforço mundial para mapear qualquer problema de saúde aos seus possíveis diagnósticos . O Projeto coleta e interpreta as contribuições online de membros das comunidades médicas , científicas e de paciente para criar o primeiro sistema de diagnóstico aberto do mundo .
  • Kyruus: plataforma empresarial orientada a dados ajuda os sistemas de saúde a otimizar sua capacidade clínica e melhorar a experiência do paciente em todos os pontos de entrada.
  • Metabiota: análise de risco, abordagem diferente às ameaças de doenças infecciosas, soluções para transformar a informação de saúde em inteligência acionável.
  • Ovuline:nova geração de apps de saúde construídos por cientistas e médicos usando algoritmos sofisticados, para a saúde feminina
  • Pathway: análise de DNA, com IBM Watson, fornece aos usuários informação de saúde validada e personalizada entregue em qualquer dispositivo, incluindo informação somática e câncer hereditário , saúde cardíaca , triagem de portadores , dieta e perda de peso , bem como a resposta à drogapara medicamentos específicos, incluindo os utilizados na gestão da dor e saúde mental.
  • Recombine: análise de DNA
  • SolveBio: Plataforma de Genomic Intelligence para Medicina de precisão.
  • Transcriptic: acesse um laboratório celular e de biologia molecular totalmente automatizado diretamente do seu navegador. 
  • Tute Genomics: plataforma de genômica, armazena e gerenciar grandes repositórios de dados genômicos.
  • uBiome:  mapeia o microbioma humano, serviço de sequenciamento fornece informações e ferramentas para explorar as populações de bactérias que vivem sobre e dentro do corpo. Com base em pesquisas do Projeto Microbioma Humano NIH , aperfeiçoou a tecnologia para realizar estudos microbioma em grande escala.
  • Vital Labs:  processamento de imagens médicas, análise de dados, e desenvolvimento de produtos voltado para o consumidor.
  • Zephyr Health: organizar e visualizar os dados globais de saúde para ajudar os clientes indicar terapias de acordo com as necessidades do cliente.
  • Zymergen: biotecnologiaa, biologia, automação, aprendizado de máquina e arquitetura de dados, desenvolvendo novas formas  mais eficientes e mais confiáveis ​​para otimizar microrganismos para a fermentação industrial.

Vemos big data aplicada em Genômica para Medicina de Precisão, Farmacogenômica, banco de dados gerando Suporte a Decisão Clínica para integrar a prontuários eletrônicos, Insights relacionando história clínica e exames de imagens, tudo isso utilizando a enormidade de dados disponíveis.  E empresas produzindo dispositivos para capturar esses dados, aprimorando smartphones para se tornarem cada vez mais um sensor de saúde e bem estar.

Um mundo de evidências está disponível para ser descoberto e melhorar nossa prática clínica diária. E penso que o conceito de algoritmos foi introduzido em 1936 com a Máquina de Turing de Alan Turing e pelo cálculo lambda de Alonzo Church, e que só na década de 80 foram relembrados e aplicados adequadamente devido a evolução dos microprocessadores e computadores. 

Inteligência artificial é o estudo de como fazer os computadores realizarem tarefas que, no momento, as pessoas realizam melhor, o que inclui a capacidade de adquirir e aplicar conhecimentos aprendidos. (Almir Olivette Artero - Inteligência Artificial - Teoria e Prática). Praticar Medicina ainda é algo que fazemos melhor que os computadores.  Os algoritmos e as máquinas ainda não são tão bons na análise do discurso do paciente, pois o paciente intui uma grande quantidade de conhecimento de senso comum que pressupõe que o médico possua, e usa a ambiguidade, assumindo que o médico perceba. Computadores ainda não o fazem. AINDA.

Postagens populares