11 de jun de 2013

Quanto custa implementar o e-sus?


Esta tem sido uma questão que temos recebido recorrentemente. Antes de falarmos em valores propriamente dito é importante o gestor de saúde e do município ter em mente uma coisa: todo e qualquer dinheiro gasto na informatização da atenção básica é um investimento que dará retorno financeiro a curtíssimo prazo, pois com a melhor gestão da informação  será possível dimensionar adequadamente todas as ações evitando desperdícios de dinheiro com mal de obra mal utilizada, materiais, e medicamentos adquiridos desnecessariamente e incontáveis horas de levantamento de informação para proposição de novos projetos e captação de recursos. Tudo isso sem falar na melhoria da qualidade do atendimento e a consequente satisfação do usuário.

O ministério da Saúde disponibilizou as expectativas de valores para implementação do E_SUS por UBS, considerando os aspectos lógicos e de infra estrutura envolvidos no processo de acordo com a realidade de cada unidade.
Todavia é preciso chamar a atenção para uma questão, que a nosso ver, é  fundamental para que o gestor não jogue fora seu investimento. Vamos chamar de aderência. O que garante que os profissionais vão utilizar o sistema?

A TI Medicina entende que este é a aderência o processo mais delicado da implementação do E-SUS e que de certa forma é negligenciado na proposta apresentada pelo Ministério da Saúde. É impossível ter certeza de que os profissionais de saúde de seu município estarão aptos e convencidos a utilizar a nova ferramenta em um treinamento coletivo de apenas 5 dias.

Aderência se faz com convencimento e apoio no cotidiano do trabalho. E isso só é possível com a personalização do treinamento e acompanhamento. Em seu serviço de saúde você deve ter profissionais que nunca tocaram em um computador (e que obrigatoriamente terão de fazê-lo a partir de agora) e profissionais que são aficionados por tecnologia. Somente a personalização e segmentação do treinamento e da implementação é capaz de superar este obstáculo.

É portanto necessário que o gestor ao pensar na implementação conheça a relação de que cada trabalhador do sistema de saúde tem com o universo da informática, do ACS ao profissional de nível superior (médico, enfermeiro, dentista).


É necessário que isto esteja alinhado a um programa de informação adequada de toda gestão municipal dos trabalhadores da saúde e da sociedade. É preciso contar com o apoio e o envolvimento do Conselho de saúde, das associações de bairro, e dos trabalhadores.

Portanto para o sucesso dessa estratégia em cada município é necessário o desenho de um projeto específico, adaptado à realidade de cada município e de cada trabalhador. O Investimento total para implementação pode inicialmente parecer maior que o esperado, mas os resultados para os trabalhadores, usuários e gestores públicos com certeza aparecerão rapidamente e compensarão os esforços iniciais.

Diretor Comercial TI Medicina
diretorcomercial@timedicina.com.br

Postagens populares