9 de jan de 2013

Por que os médicos irão preferir um mini-iPad

Quando a comunidade médica começou a adotar os tablets como assistentes valiosos na sua prática clínica, o peso e o tamanho foram inconvenientes aceitáveis levando-se em conta os benefícios do seu uso.

Os benefícios obtidos no uso no point-of-care vão além de serem mais aceitos pelo paciente no ambiente de cuidado, em detrimento do desktop ou laptop nos registros médicos eletrônicos, pela semelhança a uma prancheta. Além disso o ipad oferece a rapidez na ilustração de lesões, nas condições clínicas e nas opções de tratamento, além de acesso imediato a todos os tipos de referência médica, exames, calculadoras médicas, livros, revistas, etc...


jalecos personalizados para uso com iPad
Mas agora com o lançamento do iPad Mini, os detalhes de peso e tamanho foram resolvidos. Com altura de 20 cm e largura de 13,47 cm, ele cabe agora no bolso do jaleco sem necessidade de adaptações e é mais discreto. O peso também fez uma diferença enorme quando se coloca o mesmo no bolso, já que ele pesa 300g. O iPad tradicional pesa um pouco mais de 600g e mede 24,1x18,57cm.

Para quem usa o iPad com retina display, a diferença na definição das imagens poderá ser um problema, como para os radiologistas e quem mais tem o hábito de usar o iPad para visualizar exames de imagem..
O iPad Mini tem resolução 1024 x 768 pixels, 163 pixels por polegada (ppp) contra os 2048 x 1536 pixels, 264 pixels por polegada (ppp) do atual iPad Retina (4ª geração).

Ainda sem data para chegada no Brasil, o iPad Mini parace ser uma opção bem atraente para os médicos que querem adquirir um dispositivo móvel maior que um smartphone, ou mesmo para os que querem trocar o seu antigo tablet.

Por que os médicos irão preferir um mini-iPad é um artigo original do TI Medicina. Ao copiá-lo, favor citar os devidos créditos.




Postagens populares