23 de jan de 2014

O que é Prontuário Eletrônico do Paciente

O prontuário médico, antes em suporte em papel e evoluindo para o suporte eletrônico, também denominado como Registro Eletrônico do Paciente (REP), Computer-Based Patient Record, (CBPR), Electronic Medical Record Systems (EMRS) e  Registro Eletrônico de saúde (RES), o Prontuário Eletrônico do Paciente é  o documento que contém a história dos registros de informações concernentes à saúde do indivíduo, podendo ser individual e às vezes coletivo.

O que é necessário para ser considerado prontuário eletrônico?
A simples digitalização (scanner) de histórico do paciente, documentos e exames não pode ser considerada prontuário eletrônico uma vez que não traz mudanças de comportamento e não possibilita a estruturação da informação, ou seja, não permite (ainda) o manejo e pesquisa de dados pois o arquivo é uma imagem e não contem dados estruturados. O ideal, no futuro, é que os softwares possam ler o que foi escrito no papel e digitalizado e transformar essa informação em texto digitado e dados estruturados.

























Mas qual o mínimo de funcionalidades e requisitos necessários? A discussão em torno desse assunto é gigantesca, assim como não há, na legislação do CFM, o mínimo exigido. A Cartilha sobre Prontuário Eletrônico do CFM/SBIS é muito útil e simples e pode elucidar a maioria das dúvidas dos médicos.
























Mas um aspecto muito importante é que a percepção do que é Qualidade difere de profissional para profissional, e o que é excelente para mim pode ser muito ruim para você. Dizer que um prontuário eletrônico é bom pode ser que mesmo sendo cheio de campos para preencher e muito detalhado, é possível depois fazer a análise de quantos pacientes estão com consultas de controle atrasadas e necessitam ser lembrados disso por email automático. Mas para outro profissional, um bom prontuário eletrônico é aquele onde ele possa arquivas fotos do paciente a cada consulta para efeito comparativo de lesões e que tenha um algorítimo matemático que avalie a chance de malignidade incorporado no software.

A maioria dos profissionais acha dispensável uma consultoria de informatização de seu consultório para definir qual melhor software para sua necessidade. Se você pensa diferente, clique aqui.



Você pode também interessar-se por:

  1. Panorama atual do uso de tecnologias (Prontuários Eletrônicos) por médicos - Parte II
  2. A SBIS certifica qualidade no Prontuário Eletrônico?
  3. Lista de Prontuários eletrônicos e Gestão de clínicas
  4. TI em saúde: 9 lições com prontuário eletrônico
  5. Desafios na implantação de prontuários eletrônicos em instituições de Saúde
  6. Usos do Prontuário do Paciente na contemporaneidade por Dra Cristiane Galvão


Postagens populares