3 de mai de 2012

iMedicine: A influência das Mídias Sociais na Medicina

iMedicine: The Influence of Social Media on Medicine foi o tema do 27º encontro de estudantes de Medicina na New York Medical College, em Valhalla, Nova York.

Os palestrantes recordaram o ensino e prática da medicina nas décadas de 60 e 70, onde a educação médica era baseada em apostilas mimeografadas, livros didáticos e anotações em cadernos das aulas ministradas. O paradigma dominante era o modelo biomédico que reduz todas as doenças a um mecanismo biológico de causa e efeito. O foco era a doença aguda, e especialistas substituindo generalistas. O objetivo da assistência médica era curar e saúde era definida como ausência de doença.

Hoje a convergência do desenvolvimento (genômica, sensores em fio, sistemas de informação, redes sociais, smartphones e poder computacional ilimitado com cloud computing) está mudando de diagnosticar para prever e prevenir. Saúde é entendida como um estado completo de desenvolvimento físico, mental e bem estar social e não apenas ausência de doença. Agora é a hora de concentrar-nos nas doenças crônicas e reconhecer que a gestão de doenças crônicas é tão importante quanto curar a doença.

Dessa forma, as mídias sociais estão entre os recursos que tornam a medicina digital possível. E ninguém pode afirmar como ela transformará a medicina. Mas foi consenso que elas estão presentes para auxiliar o médico de muitas maneiras.

Utilidades das Mídias Sociais na Medicina
  • Desenvolver rede profissional.
  • Angariar pacientes
  • Pesquisar vagas do mercado de trabalho
  • Ficas a par das atualizações e bibliografia médica
  • Estar acessível aos pacientes de um modo que preserve a sua privacidade

Conselhos dados pelos palestrantes à classe médica

  • Equilibre as mídias Sociais com as formas mais tradicionais de comunicação
  • Algumas informações necessárias à prática clínica precisam estar dentro da cabeça além de acessíveis nos smartphones, tablets, etc
  • Aprimore suas habilidades de observação
  • Disponha de  tempo para encontros presenciais com pacientes e colegas
  • As normas éticas são importantes e os pacientes esperam e merecem que se respeite a confidencialidade
  • Comece pequeno
  • Não espere sucesso estrondoso do dia para a noite, independente se seu conteúdo é que qualidade
  • É fácil sentir-se oprimido e acuado pela quantidade de informações disponíveis, mas os filtros ajudam muito
  • Se você postar, a audiência aparecerá
  • Elogios e críticas vêm rapidamente nos meios de comunicação social
  • As mídias sociais não são uma moda passageira





Kent Bottles afirmou que as mídias sociais estão na Gartner Hype Cycle, com seus altos e baixos; vão perdurar e não são um modismo.
Gartner Hype Cycle: um Hype Cycle é a forma gráfica de representar a maturidade e a adoção de determinadas tecnologias. Basicamente o hype cycle caracteriza o exagerado entusiasmo inicial e subsequente desapontamento que tipicamente acontece na introdução de novas tecnologias. O gráfico também pretende mostrar o que ocorre depois desse ciclo inicial, quando a tecnologia cai na real, passa a oferecer benefícios práticos e começa a ser efetivamente adotada pela sociedade. Veja mais detalhes aqui

Hype Cycle 2012 que tenta prever onde cada tecnologia está em sua evolução
Dicas de leitura
Os palestrantes recomendaram para quem quiser se aprofundar mais no assunto o kit de mídias sociais do CDC, o livro The Information: A History, A Theory, and A Flood by James Gleick e o artigo de Betsy Sparrow Google Effects on Memory: Cognitive Consequences of Having Information at Our Fingertips.

As armadilhas e perigos do uso de redes sociais pelos médicos também foi comentado. Todo profissional envolvido em mídias sociais deve conhecer esses dois casos:
  1. Birthing sheds, the cabbage patch and madwives': Irreverent tweets by hospital medic Welsh Gas Doc provoke angry backlash
  2. Unprofessional Physician Behavior on Twitter
A cobertura mais completa do evento pode ser lida aqui.

Postagens populares