21 de out de 2009

Primeira cirurgia robótica para tratamento de endometriose

O procedimento foi realizado no Hospital Israelita Albert Einstein pela Dra Rosa Maria Neme e também contou com a participação do Dr. Vladimir Schraibman, gastrocirurgião e único orientador emCirurgias Robóticas da área de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo desse hospital (Proctor Intuitive Robotic System).


“A endometriose envolveu o intestino e a região atrás do útero (chamada retrocervical) e apresentava aderências do intestino neste nódulo. Foram desfeitas as aderências e a retirada do nódulo, que se encontrava atrás do útero e da parede do intestino. Tudo foi feito com muita precisão, pela equipe envolvida que contou com a presença do Dr. Vladimir Schraibman, gastrocirurgião especialista em cirurgia robótica”, relata a Dra. Rosa Maria Neme (CRM SP-87844), graduada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, com residência médica e doutorado em Medicina na área de Ginecologia pela Universidade de São Paulo e Diretora do Centro de Endometriose São Paulo, primeira clínica no Brasil especializado no tratamento da doença.
“Este procedimento é uma importante evolução no tratamento da endometriose, permitindo à paciente maior precisão, mais segurança, menor sangramento, menor tempo de internação e menos dor pós-operatória. Nossa equipe e o Hospital Albert Einstein são novamente pioneiros no desenvolvimento e implantação desta tecnologia para atender as mulheres portadoras dessa doença”, avalia Dr. Vladimir Schraibman (CRM-SP 97304), especialista em cirurgia geral, gastrocirurgia e único orientador de Cirurgias Robóticas da área de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo do Hospital Israelita Albert Einstein (Proctor Intuitive Robotic System).
Fonte: RedeNotícia

Vantagens da cirurgia robótica
“Os sistemas robóticos trazem várias vantagens, como o aumento de liberdade de movimentação das pinças do cirurgião, maior precisão dos movimentos, melhor qualidade de imagem e realização de movimentos em 360 graus (como um punho) pela ponta da pinça. As pinças do robô são mais articuladas principalmente em suas extremidades, quando comparadas as pinças laparoscópicas convencionais. Além disso, qualquer possível tremor do cirurgião é eliminado pelo sistema e não é transmitido para o campo operatório”, completa Dr. Vladimir.
Outras vantagens incluem o posicionamento mais ergonômico do cirurgião, tornando os possíveis erros causados pela fadiga menos prováveis e ainda criando uma perspectiva de telecirurgia – médico e paciente em locais diferentes, como na ficção. A imagem da região a ser operada em três dimensões permite muito mais acurácia e acuidade visual para o cirurgião.


Comparação entre Histectomia robótica (da Vinci), laparoscópica e aberta.



Entenda mais no vídeo abaixo:





Postagens populares