21 de set de 2010

Itens de interesse na certificação de software médico


O I Curso Telepresencial de certificação de Software da SBIS/CFM que está sendo realizado em Ribeirão Preto tem como objetivo explicitar além dos tramites legais para a certificação de software médico, as funcionalidades e os componentes exigidos para o mesmo.
Alguns pontos que achei interessantes:

  1. Se o software oferece suporte a delegação de poder, ou seja, nova atribuição para um papel previmanente definido, esta deverá ser temporária. Essa delegação de poder pode ocorrer no caso de uma enfermeira, por exemplo, que irá inserir resultados de exames em prontuário na ausência do médico.
  2. É mandatório que o paciente tenha acesso a TODAS as informações contidas no prontuário eletrônico,caso ele assim deseje. Seja eletronicamente (acesso por meio de login e senha ou acesso por meio de um papel de usuário que permita realizar essa atividade pelo paciente), seja impresso. Nesta caso o sistema deverá disponibilizar uma interface para a impressão de todo o prontuário e uma declaração do usuário de que está recebendo essas informações.
  3. Não é permitido excluir ou alterar dados já existentes no Registro eletrônico de Saúde. Ações de correção devem preservar dados antigos e devem constar da impressão do prontuário.

Postagens populares